segunda-feira, 26 de maio de 2008

O que é isso, companheiro??



O Piauí Sampa ainda nem começou e já li algumas críticas relacionadas ao evento, tanto na internet como em bate-papos informais pela cidade afora. A impressão que eu tenho é que parece mais fácil criticar do que elogiar tudo que diz respeito ao Estado do Piauí. Mas acredito que ninguém se daria ao trabalho de promover um evento desse porte, na grande São Paulo, para que as pessoas pudessem como num circo, somente achar graça do nosso Estado... Ah, faça-me o favor! Credibilidade não se compra, é preciso trabalho e dedicação para que aconteça e o Piauí merece e pode conquistá-la. Acho que são válidos todos os esforços voltados à divulgação da rica cultura piauiense, da sua diversidade musical e artesanal, da sua deliciosa e tão elogiada culinária.

Na semana passada, durante a produção de uma matéria no Pólo Cerâmico do Poty Velho, minha equipe presenciou a saída, rumo a São Paulo, de um caminhão-baú abarrotado de artefatos produzidos pelos artesãos daquele bairro, que em vários depoimentos confirmaram o que já sabíamos: eventos desse tipo funcionam como vitrine e o retorno financeiro é garantido. Bom para eles, melhor ainda para o Estado. A própria reforma pela qual passou recentemente o Pólo Cerâmico, é prova disso: segundo os artesãos, a nova estrutura propiciou um aumento significativo na procura pelas belas cerâmicas piauienses.

O que dizer então, do Salão do Livro do Piauí? Na sua 5ª edição, o Salipi trará a Teresina nomes consagrados como Thiago de Mello e Zuenir Ventura, só para citar alguns. Entre os piauienses, já expuseram seus trabalhos por lá artistas como Hostiano Machado, Dora Parente, Gabriel Archanjo. E tem mais: eventos como o Festival de Inverno de Pedro II, Festival Artes de Março, Casa Piauí Design, vêm mostrando o que há de bom na Terra do Sol, nas mais diversas áreas.
Cá pra nós: ninguém tem obrigação de gostar do Piauí e do que é produzido por aqui, mas cada um de nós tem a obrigação de respeitar quem gosta e quem faz. Já bastam os “Zottolos” da vida (só pra citar um exemplo), não vamos nós também engrossar o coro dos descontentes...

6 comentários:

Pedro Augustus disse...

Belo texto, bela estréia, Rosa!

Seja bem vinda!

Sanka disse...

De fato!!! E não é impressão, é a mais pura verdade: é mais fácil criticar do que elogiar. Principalmente para aqueles que se (auto) denominam "conhecedores do assunto", mas que conhecem mesmo é a posição do buda... sentado!

Belo texto, Rosa Oda Magalhães!

Jucélio Jr. disse...

Legal demais, Rosa. Concordo em parte com oque você disse, mas acho que ainda falta muito pra gente. Acho que o Piauí Sampa ainda soa como "freakshow" e assim vai ficar por muito tempo. Mas você está certíssima quando diz que toda divulgação engrandece nosso estado um pouquinho mais.

Parabéns pelo texto, pela estréia.

J.Jr.

Jairo Moura disse...

Seja bem vinda nova Marimbonda (será assim o feminino de marimbondo?).
Bom texto, acredito que daqui pra frente poderemos ser mais críticos e mostrar pra que viemos. O texto da Rosa marca o inicio da 2ª fase do Blog.

Rosa Magalhães disse...

Jairo, vou verificar essa da "marimbonda", tá? rsrs. Obrigada por me acolherem na caixa... Vamos fazer barulho!!

Azedona disse...

O que falta para o PI além de uma atenção maior por parte dos políticos, é a valorização de suas riquezas por parte da população.Eu,como piauiense que mora desde a mais tenra idade em Brasília, noto que os nativos só dão valor ao que vem de fora.Essa cultura de achar "que a grama do vizinho é mais verde" tem que acabar! Os piauienses tem que amar e fazer mais por essa terra. Auto estima,minha gente!